Saiba Mais

Parceria implementa oito núcleos comunitários em seis bairros da região Metropolitana do Recife

18 DE JULHO DE 2017

Fortalecer a política de mediação comunitária de conflitos. Com este objetivo, a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH), através da Secretaria Executiva de Direitos Humanos (SEDH), firmou parceria com quatro Organizações Não Governamentais (ONGs) para implantação de oito núcleos comunitários em seis bairros da região Metropolitana do Recife. A solenidade que marcou assinatura do Termo de Cooperação Técnica com as instituições aconteceu na manhã desta terça-feira (18/07), no prédio da SEDH, no bairro do Espinheiro. O grupo que vai atuar nos núcleos também vai participar de curso de formação em Direitos Humanos e Mediação Comunitária.

Secretário Executivo de Direitos Humanos, Eduardo Figueiredo, destaca que o resgate da política de mediação comunitária dialoga com prevenção da violência e a cultura de paz. “Os núcleos de mediação de conflitos se configuram como uma importante ferramenta de pacificação de conflitos dentro das comunidades. Ao fortalecer a atuação desses grupos comunitários, os pequenos conflitos podem ser resolvidos ali mesmo, sem a necessidade de judicialização. São pessoas comuns com a sensibilidade e o compromisso de ajudar na redução dos índices de violência dentro dessas comunidades.”

Os núcleos comunitários serão implantados e geridos pelas instituições com o apoio do Governo do Estado, através da SJDH e SEDH. A parceria foi firmada com as instituições: Coletivo Mulher Vida, Grupo Ruas e Praças, Cáritas Brasileira NE2 e Grupo Adolescer, que vão implementar espaços em seis bairros da RMR, de acordo com a área de atuação das ONGs. São eles: Caranguejo Tabaiares, Santo Amaro, Arruda, Fundão, Rio Doce e Ilha de Santana/Jardim Atlântico.

Para Ricardo Rian, coordenador do projeto que reúne as instituições executoras dos núcleos comunitários, a iniciativa contribui para o desenvolvimento social, fortalecendo a cultura de paz. “Esse ato, mas do que assinar um documento, representa a integração do Estado e sociedade civil, que dão as mãos em torno de um objetivo em comum. É essa sinergia, numa perspectiva de complementaridade, que somamos forças para atuar nessas comunidades”, destaca.

Coordenadora interina do Programa de Mediação de Conflitos, Alessandra Lima, ressalta a importância dos núcleos nas comunidades. “A mediação de conflitos nada mais é do que a mediação feita na comunidade, pela comunidade e com a comunidade. Esses núcleos serão espaços de transformação social”, comemora.

Na solenidade também foi ministrada a Aula Magna que marcou o início do curso de formação em Direitos Humanos e Mediação Comunitária. Com o tema “Cultura de Paz”, a palestra foi ministrada pelo professor Marcelo Pelizzoli. Autor de 17 livros publicados, Pelizzoli é coordenador do Espaço de Diálogo e Reparação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e membro fundador da Rede Justiça Restaurativa de Pernambuco.

Fonte: http://nbnbrasil.com.br/2017/07/18/nucleos-de-mediacao-comunitaria-para-a-prevencao-a-violencia-e-o-fortalecimento-da-cultura-da-paz/